Pedetistas querem revogar resolução que exclui artistas do MEI

Pedetistas querem revogar resolução que exclui artistas do MEI

Os deputados pedetistas André Figueiredo (CE), Túlio Gadêlha (PE) e outros parlamentares de partidos de oposição apresentaram o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 735/19, para revogar resolução do governo federal que retira profissões ligadas à área de cultura, educação e estética do sistema de microempreendedor individual (MEI). Pela resolução, pelo menos 26 ocupações e atividades cerca de 611 mil serão excluídos do sistema.

A Resolução 150/19, feita pelo Comitê Gestor do Simples Nacional, e publicada no Diário Oficial da União na sexta-feira (6/12), exclui quatorze ocupações e atividades, algumas diretamente ligadas à cultura, como músico independente, DJ, humoristas, instrutor de arte e cultura e instrutor de música.

O MEI permite ao pequeno empreendedor com faturamento anual de até R$ 81 mil o pagamento de valores menores para tributos como INSS, ICMS e ISS. Entre as vantagens está a emissão de nota fiscal por custo fixo no IR de R$ 55,90 mensais. A resolução atinge uma parte da sociedade que fatura até R$ 6.750,00/mês, podendo ter até um empregado.

“É fato, portanto, que a referida Resolução agride a dignidade humana, uma vez que, de forma brusca e autoritária, sem qualquer participação social, retira direitos trabalhistas adquiridos”, justificam.

Os parlamentares ressaltam que um levantamento do SEBRAE, divulgado em setembro deste ano, aponta que cerca de um terço desses microempresários registrados no MEI atuavam na informalidade e não recolhiam impostos para os cofres públicos. “Além do exposto, o próprio SEBRAE aponta que a exclusão atingirá 611 mil profissionais da área cultural brasileira, diretamente”, finalizam.

Ascom Lid./PDT