Profissão de ciclistas por aplicativos poderá ser regulamentada

Profissão de ciclistas por aplicativos poderá ser regulamentada

O projeto de lei (PL 3599/20) apresentado pelo deputado Eduardo Bismarck (PDT-CE) regulamenta serviços de entrega de mercadorias com o uso de bicicletas. A proposta garante mais direitos a esses trabalhadores.

Para Bismarck, é preciso pensar em condições de trabalho, salário adequado e carga horária justa a todos. “No caso dos ciclistas, o desgaste sofrido pelo profissional é muito mais extenso, haja vista o grande esforço que eles precisam fazer para completar o serviço”, justifica.

O texto prevê requisitos para o prestador do serviço, define equipamentos mínimos a serem usados na bicicleta e pelo ciclista e ainda alguns benefícios para o trabalhador.

Entre os critérios, a exigência de que o serviço só será realizado por maiores de 18 anos devidamente inscritos como contribuintes individuais na Previdência Social ou como microempreendedores individuais. O valor recebido por cada profissional por dia de trabalho não poderá ser menor que o salário mínimo diário.

Equipamentos obrigatórios como campainha, espelho retrovisor e suporte para celular para a bicicleta e capacete para o ciclista deverão ser fornecidos pela empresa de aplicativo e devolvidos quando o trabalhador deixar de prestar serviços para a respectiva empresa.

A proposta limita ainda o horário de trabalho do ciclista a dez horas por dia, cabendo à empresa de aplicativo o controle dessa jornada por meio da plataforma digital. A empresa deverá também fornecer espaço físico para o descanso do profissional, devendo observar uma distância de três quilômetros entre uma área de descanso e outra e podendo compartilhar esses locais com outras empresas.

Segundo o parlamentar, a matéria é urgente e está na “ordem do dia” dos assuntos que o Parlamento precisa discutir, devido a sua relevância social.

Asco Lid./PDT com Agência Câmara de Notícias