A pedido de Leo Prates, comissão debaterá treinamento de funcionários para o atendimento de pessoas com necessidades especiais

A pedido de Leo Prates, comissão debaterá treinamento de funcionários para o atendimento de pessoas com necessidades especiais

Dep. Leo Prates (PDT-BA)

A Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência da Câmara dos Deputados aprovou requerimento (REQ 63/23 CPD) do deputado Leo Prates (PDT-BA), que solicita a realização de audiência pública para debater a questão do treinamento de funcionários para o atendimento de pessoas com necessidades especiais.

O objetivo da iniciativa é discutir, de forma contributiva, como os programas de treinamento vêm sendo implementados por empresas privadas para um melhor atendimento público de pessoas com deficiência, em especial daquelas do espectro autista, visto que vêm surgindo pelo País inúmeras reclamações de maus-tratos a clientes com deficiência em lojas, em especial na Riachuelo.

Recentemente, a Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor da Bahia (Procon-BA), órgão da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH), notificou a loja Riachuelo S/A, situada no Boulevard Shopping, em Feira de Santana, na Bahia, objetivando esclarecer se houve problemas nos atendimentos prioritários a pessoas com deficiência, no âmbito da loja. A notificação teria sido motivada por conhecimento de denúncia de discriminação durante o atendimento prioritário a uma mãe de uma criança com Transtorno do Espectro Autista (TEA), cujo vídeo relatando a situação viralizou nas redes sociais.

O texto da proposta aprovada requer que sejam convidados a participar do evento: Flávio Rocha, proprietário das Lojas Riachuelo; Karla Gurgel, mãe da criança com TEA que teria sido discriminada na loja; e Marcos Mion, apresentador de televisão e forte defensor de processos de inclusão das pessoas com autismo.

“Entendemos de bom alvitre que esta Comissão escute o proprietário da referida loja sobre o que de fato ocorreu, quais medidas foram tomadas, quais procedimentos a empresa adota ou passará adotar para melhor capacitar seu pessoal para um atendimento correto às pessoas com deficiência”, afirma Leo Prates.

Ascom Lid. / PDT