Pedetistas e líderes partidários se opõem ao uso da dexametasona sem prescrição durante pandemia

Pedetistas e líderes partidários se opõem ao uso da dexametasona sem prescrição durante pandemia

Recentemente o corticoide dexametasona foi apontado como droga capaz de reduzir as a incidência de mortes pela covid-19. Contudo, a declaração gerou desconforto entre parlamentares que decidiram apresentar uma proposta (PL 3382/20) para proibir a comercialização do medicamento, sem prescrição médica, durante a pandemia da Covid-19.

O texto foi assinado pelo líder do PDT, deputado Wolney Queiroz (PE), da Oposição, André Figueiredo (PDT-CE) e outras lideranças (PCdoB/AC; CIDADANIA/SP; PSB/RJ; REDE/RR; e PT/PR).

Os parlamentares argumentam que, por ser uma droga de baixo custo e não ter a venda controlada, ela poderá ser vendida indistintamente sem receita médica. Assim, caso a eficácia do medicamento seja cientificamente comprovado para o tratamento da Covid-19, “é de se esperar que haja uma verdadeira corrida” às farmácias para a aquisição da dexametasona.

Além disso, os líderes afirmam que “o uso indiscriminadamente da droga pela população vai implicar no desabastecimento no mercado e riscos para a saúde dos que fizerem o uso da substância sem o devido acompanhamento médico”.

Dexametasona é um corticoide usado no tratamento de diversas doenças, entre as quais reumatismo, várias doenças da pele, alergias graves, asma, doença pulmonar obstrutiva crónica, crupe, edema cerebral, dor oculas pós-cirúrgica e, em combinação com antibióticos, e tuberculose.

Ascom Lid./PDT