PDT e outros partidos da oposição vão ao STF contra o primeiro ato do presidente Arthur Lira

PDT e outros partidos da oposição vão ao STF contra o primeiro ato do presidente Arthur Lira

O recém-eleito presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL), apresentou, após a votação, ato que revogou a decisão do ex-presidente da Casa Rodrigo Maia (DEM-RJ), de aceitar o registro do bloco de partidos (MDB, PT, PCdoB, PDT, PSB, PSDB, Cidadania, PV e Rede), que apoiou o candidato Baleia Rossi (MDB-SP).

A decisão do novo presidente gira em torno de polêmica sobre o horário de envio do pedido do PT, do PDT e do PSB para adesão e formalização do bloco.

Contra o ato, que também anulou e adiou para hoje (2/2), a eleição dos demais integrantes da Mesa Diretora, os partidos decidiram recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Líderes e parlamentares de Cidadania soltaram uma nota criticando a atitude de Arthur Lira. “Os partidos que se uniram em torno da defesa de uma Câmara livre e independente repudiam, com a mais intensa veemência, o ato autoritário, antirregimental e ilegal praticado pelo deputado Arthur Lira”, assinala a nota, logo em sua primeira frase.

“Os partidos que se uniram em torno da defesa de uma Câmara livre e independente repudiam, com a mais intensa veemência, o ato autoritário, antirregimental e ilegal praticado pelo deputado Arthur Lira. A eleição é una: não se pode aceitar só a parte que interessa. Ao assim agir, afrontando as regras mais básicas de uma eleição – não mudar suas regras após a sua realização -, o referido deputado coloca em sério risco a governabilidade da Casa. A insistir nesse caminho, perderá qualquer condição de presidi-la, já que seu primeiro ato desacredita o que acabara de dizer: que decidiria com imparcialidade. Foi a desmoralização mais rápida de um discurso que já se viu. A única voz que o mesmo aceita que se ouça na Mesa Diretora da Câmara é a voz daqueles que com ele concordam. Os que ousam defender uma Câmara altiva ele quer calar, já em seu primeiro movimento, tentando esmagar a representatividade de nossos partidos e de nosso bloco. Não aceitaremos. Vamos ao STF em defesa da democracia e do Parlamento brasileiro.”

Brasília, 2 de fevereiro de 2021

Líderes e parlamentares do PT, MDB, PSB, PSDB, PDT, PCdoB, CIDADANIA, PV e REDE

Ascom Lid./PDT