Ativista da causa LGBTQIA+, Rosy Silva é candidata a vereadora em Salvador pelo PDT

Ativista da causa LGBTQIA+, Rosy Silva é candidata a vereadora em Salvador pelo PDT

O PDT é um partido reconhecido por respeitar a diversidade. Entre elas, a comunidade LGBTQI+, que em agosto deste ano completou cinco anos de luta em defesa de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis, transgêneros, queer, intersexuais e demais definições encontradas na sigla.

Para confirmar a força da resistência pedetista, o movimento tem alcançado êxitos relevantes. No Congresso Nacional, a partir da construção de projetos com a bancada do PDT, na inclusão e formação de novos quadros, bem como na construção de uma base de pré-candidaturas trabalhistas em todo o país para a disputa das vagas de vereadores e prefeitos.

Na Bahia, O PDT, com o apoio do deputado Félix Mendonça Júnior, tem como candidata Rosy Silva, 51 anos. Personalidade de grande destaque e trabalho em prol da comunidade baiana. Bacharel em direito, a candidata promete lutar por pessoas da periferia e levantar a bandeira do arco-íris na Câmara Municipal de Salvador.

Rosy foi moradora da ocupação do Movimento Sem Teto, Guerreira Zeferina, também conhecida como “Cidade de Plástico”. Ela tem como objetivo promover a inclusão das favelas nos Projetos Políticos Sociais da capital baiana, principalmente as famílias em risco comunitário e alocadas em ocupações.

Conheça os detalhes da sigla LGBTQI+:

L – lésbica: mulher que se identifica com o gênero do seu corpo físico (cis) e sente atração sexual por mulheres;

G – gay: homem que se identifica com o gênero do seu corpo físico (cis) e sente atração sexual por homens;

B – bissexual: homens e mulheres cis ou trans que sentem atração sexual por ambos os gêneros;

T – travestis, transexuais e transgêneros: pessoas que não se identificam com seus órgãos sexuais de nascimento, que são relacionados com os gêneros feminino e masculino, e que fazem ou não a transição;

Q – questionando ou queer: pessoas que não se consideram parte dos padrões de gênero impostos pela sociedade e, assim, não sentem a necessidade de definir o gênero e/ou a orientação sexual;

I – intersexuais: pessoas que não são identificadas como feminino ou masculino em função das variações nos cromossomos ou na formação dos órgãos genitais;

Mais + – representa todas as letras que se encaixam no movimento, que na versão estendida seria LGBTT2QQIAAP. É encontrada ainda a versão mais curta (LGBTQIAP+), com a letra P representando os pansexuais, que sentem atração sexual por pessoas, independentemente de identidade de gênero ou orientação sexual.

Ascom Lid./PDT