100 anos de nascimento de Brizola será celebrado no Dia do Trabalhador

100 anos de nascimento de Brizola será celebrado no Dia do Trabalhador

Para alguns, Dia do Trabalhador, para outros, Dia do Trabalho. Mas ambas as nomenclaturas referentes ao dia 1º de maio não rementem a uma data instituída apenas para descansar e comemorar conquistas. Ao contrário, por todo o mundo, é dia de reivindicar as ainda necessárias melhorias para a classe trabalhadora e, no Brasil, especificamente, é dia de também lutar contra os retrocessos.

É por isso que, neste 1º de maio, o PDT unirá a causa trabalhista à celebração do centenário do maior ícone do Trabalhismo no País, Leonel de Moura Brizola. Será um dia inteiro de festa com uma programação pensada especialmente para homenagear o fundador do partido, com a presença do pré-candidato à Presidência, Ciro Gomes, do presidente nacional da legenda, Carlos Lupi, do secretário-geral nacional do PDT, Manoel Dias, de várias lideranças pedetistas, da militância e de admiradores do legado de Brizola.

A celebração começa, às 11h da manhã, na Câmara dos Deputados, com o lançamento da Exposição “Uma vida pela Libertação do nosso povo”, no Corredor Tereza de Benguela. E, partir do meio dia, a ela continua na sede nacional do partido, com a inauguração da Estátua do Herói da Pátria Leonel Brizola.  Na sequência, às 13h, acontece a reunião do Diretório Nacional, para a formação da Mesa Diretiva e deliberações acerca da pauta do edital de convocação de Convocação.

Conhecendo mais sobre Leonel de Moura Brizola

O momento literário da celebração começa a partir das 15h, com o lançamento de três obras que narram aspectos inesquecíveis e até desconhecidos do grande público acerca do Trabalhismo e do seu icônico líder.  A primeira será o livro “O Brizola Desconhecido”, do jornalista José Augusto Ribeiro, que traz como subtítulo “Como o menino que não tinha nem sapato mudou o futuro do País”, é o primeiro.

Na sequencia, é a vez do livro “Um tempo bem melhor para se viver”, do historiar Wendel Pinheiro, que discorre sobre a trajetória histórica do Trabalhismo brasileiro.  E, para fechar essa grande festa com chave de ouro, acontece a divulgação do “Cadernos Tijolaços”, que reúne uma série de artigos assinados por Brizola, entre as décadas de 1980 e 1990, os Tijalaços, que foram publicados em diversos jornais de amplitude nacional. O material foi compilado e organizado pelo Centro de Memória Trabalhista, da Fundação Leonel Brizola – Alberto Pasqualini (FLB-AP).

Ascom Lid./PDT com PDT Nacional