Vai à sanção presidencial projeto relatado por Bismarck que prorroga incentivos fiscais a empresas atendidas pela Sudam e Sudene

Vai à sanção presidencial projeto relatado por Bismarck que prorroga incentivos fiscais a empresas atendidas pela Sudam e Sudene

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (22) relatório do deputado Eduardo Bismarck (PDT-CE), ao Projeto de Lei 4416/21, que prorroga de 2023 até 2028 incentivos fiscais para empresas situadas nas áreas de atuação da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). Projeto vai à sanção presidencial.

Assim, empresas dos estados atendidos por essas superintendências terão até 31 de dezembro de 2028 para apresentar e ter aprovado projeto de instalação, ampliação, modernização ou diversificação em setores da economia considerados prioritários para o desenvolvimento regional, segundo decreto do Poder Executivo.

O incentivo é correspondente à redução de 75% do imposto sobre a renda e adicionais calculados com base no lucro da exploração do negócio.

Estimativas da Receita Federal indicam que esse incentivo implicará desoneração, em 2023, da ordem de R$ 6,0 bilhões na Sudam e de R$ 8,5 bilhões na Sudene. Pelo texto, o governo deverá, após sancionada a lei, incluir a renúncia na lei orçamentária anual.

O Senado havia apresentado uma emenda ao texto que estendia o benefício a empresas situadas no Centro-Oeste, área de abrangência da Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco). No entanto, ela foi rejeitada. Eduardo Bismarck alegou que a emenda não tem previsão do impacto orçamentário. “Não há, como no caso da Sudam e da Sudene, nenhuma previsão orçamentária para a Sudeco, por isso a inconstitucionalidade dessa emenda”, afirmou.

Ascom  Lid./PDT com Agência Câmara de Notícias