Uso da fosfoetanolamina por pacientes com câncer aguarda sanção presidencial

Uso da fosfoetanolamina por pacientes com câncer aguarda sanção presidencial

Pacientes com câncer podem optar pelo uso da substância “fosfoetanolamina sintética” no tratamento dos tumores, sem interromper outras terapias. Este é teor do Projeto de Lei 4639/16, do deputado Flávio Nogueira (PDT-PI) e outros, que aguarda a sanção da Presidente Dilma Rousseff.

A neoplasia malígna apresenta um crescimento acelerado e tem capacidade de invadir os tecidos vizinhos. Além disso pode se desenvolver e se espalhar por todo o corpo (metástase). A fosfoetanolamina sintética é uma substância experimental que auxilia no tratamento do câncer, marcando as células cancerosas para que as defesas do corpo possam destruí-las.

O projeto também permite, mesmo sem registro sanitário, em caráter excepcional, a produção, manufatura, importação, distribuição, prescrição, dispensação, posse ou uso da fosfoetanolamina sintética, definida no texto como de relevância pública. No entanto, o projeto ressalva que a comercialização da substância somente será permitida por agentes autorizados e licenciados pela autoridade sanitária competente.

Para Flávio Nogueira, “se não há mais alternativas terapêuticas eficazes, se o estágio do câncer não deixa muitas saídas médicas para o paciente, nada mais justo que ele possa ter o direito de escolher o que consumir, de tentar outros caminhos e alternativas, mesmo que estes ainda estejam no campo experimental”.

Ascom Lid./PDT