Dorinaldo Malafaia reúne na Câmara representantes do comitê de enfrentamento à desinformação

Dorinaldo Malafaia reúne na Câmara representantes do comitê de enfrentamento à desinformação

Sob o comando do deputado pedetista Dorinaldo Malafaia (AP), a Frente Parlamentar em Defesa da Vacina se reuniu nesta quinta-feira (14), com integrantes do comitê do governo federal de enfrentamento à desinformação.

Dorinaldo ressaltou que o encontro foi “para alinhar ações em 2024 e avançar no desenvolvimento de mecanismos que possam coibir quem espalha mentiras e desestimula a população a se proteger com os imunizantes”.

“Esse negacionismo em torno das vacinas tem representado concretamente a morte de crianças”, lamentou o deputado.

O coordenador da frente defendeu mais envolvimento do Congresso no enfrentamento às fake news sobre vacina. Para ele, a disseminação de informação falsa na área da saúde é crime sanitário. “Isso nós precisamos pautar. Nós queremos que o Parlamento brasileiro possa fazer o debate no sentido de conscientizar que as vacinas são seguras”, ressaltou.

Dorinaldo Malafaia pretende se reunir com o ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, para alinhar ações mais efetivas em parceria com o ministério no combate à desinformação acerca do Programa Nacional de Imunização.

A diretora de Promoção de Liberdade de Expressão da Secretaria de Comunicação da Presidência da República, Samara Castro, integra o comitê e acredita que o combate à desinformação deve ser encarado como política pública, com a integração de vários setores do governo para que a cobertura vacinal seja maior.

O coordenador do comitê de enfrentamento à desinformação e também secretário de Políticas Digitais na Secretaria de Comunicação da Presidência da República, João Brant, alerta que, de 2012 a 2022, houve um declínio na cobertura vacinal. A desinformação, conforme ele, contribuiu para isso e é usada como arma política. “O ano de 2023 já significou uma retomada positiva, uma curva ascendente, mas a gente ainda entende que há um conjunto de fake news, de desinformação que afeta o crescimento e a retomada dessa cobertura”.

Segundo levantamento do Ministério da Saúde divulgado em 2022, os índices de cobertura vacinal, que alcançaram 97% em 2015, caíram a 75% em 2020, o equivalente ao índice de 1987. Em 2023, oito vacinasrecomendadas do calendário para as crianças apresentaram aumento de cobertura, comparado a 2022.

Também fazem parte do comitê do governo representantes do Controladoria-Geral da União (CGU), do Ministério da Ciência e Tecnologia, do Ministério da Saúde e da Secretaria de Comunicação da Presidência.

Ascom Lid./PDT com  Agência Câmara de Notícias